Negócios sociais: empreendedores e vontade de construir um mundo melhor.
Negócios sociais: empreendedores e a vontade de construir um mundo melhor.

Você tem vontade de empreender e, ao mesmo tempo, contribuir para uma sociedade melhor? Então, precisa conhecer os negócios sociais!

Atualmente, valoriza-se muito o profissional que consegue aliar a sua profissão ao propósito de vida e tem suas ações guiadas por valores que realmente acredita.

Será que é possível trazer essa proposta para o mundo dos negócios?

Sabemos que hoje não há mais espaço para empresas que olham apenas para si e se fecham para o que acontece ao seu redor, que estão interessadas só em ganhar dinheiro a todo custo sem se preocupar com as consequências às pessoas, parceiros, governos e meio ambiente.

Dessa forma, tornou-se bastante comum as organizações apoiarem movimentos em prol de alguma causa ou criarem suas próprias ações de responsabilidade socioambiental.

Mas há quem leve essa postura a um outro patamar, em que a questão social, mais do que uma entre várias preocupações, é a razão da existência do próprio negócio.

 

 O que são negócios sociais?

As ideias de negócios sociais geralmente nascem de uma motivação afetiva, quando o empreendedor conviveu ou ainda convive com o problema que pretende solucionar.

Os negócios sociais não são nem uma organização sem fins lucrativos (ONG, com caráter filantrópico, por exemplo) nem um negócio tradicional, cujo objetivo principal é gerar o máximo de lucro. A resposta à pergunta está no caminho do meio.

São empresas que têm como missão resolver um problema social. Enquanto organizações beneficentes dependem de doações, parcerias e convênios com setores privado e/ou público, os negócios sociais se utilizam de mecanismos e estratégias de mercado para vender seus produtos e serviços e, assim, atuarem de forma financeiramente autossustentável – cobrindo seus custos e conquistando uma margem de lucro.

Resumindo, esse tipo de empresa combina as ferramentas, o dinamismo e a eficiência dos negócios tradicionais com a consciência e o propósito das ONG’s, na busca pela solução de problemas sociais, causando um impacto positivo na vida das pessoas, e na atenção ao meio ambiente.

 

 Negócios sociais: o que acontece com o lucro?

 

Negócios sociais: as diferentes formas de visão sobre o lucro.
Negócios sociais: as diferentes formas de visão sobre o lucro.

 

Não há uma conceituação super bem definida do que se enquadra no termo negócio social. Todos concordam que se trata de uma empresa que gera, ao mesmo tempo, impacto social e retorno financeiro.

Contudo, existem dois grupos com linhas de pensamento divergentes em relação a um ponto crucial: o destino do lucro obtido pela operação do negócio.

Entenda o que pensa cada um deles:


1 – Aumentando o potencial de transformação

Inspirado em economista e banqueiro bengali Muhammad Yunus, ganhador do Nobel da Paz em 2006, esse grupo defende que todo o lucro deve ser reinvestido na própria empresa, para ampliar o alcance do negócio e seu impacto social.

Os investidores podem apenas recuperar o capital investido, sem direito a dividendos. Em inglês, essa vertente é chamada de social business.

 

2 – Prosperidade para fazer o bem

Mais ampla, essa abordagem acredita que o lucro de um negócio social pode ser redistribuído entre os acionistas.

O intuito aqui é atrair a atenção de mais investidores para, com isso, dar agilidade à criação de novos negócios – e, consequentemente, superar mais rapidamente os problemas sociais.

Essa vertente é conhecida no exterior como social enterprise. No Brasil, alguns se referem a ela pelo termo negócios de impacto social.

O segundo grupo recebe algumas críticas, sobretudo por usar o marketing com suposta intenção social e fator de competitividade no mercado, mas sem a devida parcela de desenvolvimento para a comunidade.

Por não ter o impacto social como a sua única preocupação, esse tipo de negócio é acusado de comprometer a missão social da empresa.

De qualquer forma, nos dois grupos, a lógica de mercado e seus mecanismos são o caminho para atingir os propósitos sociais das empresas.

 

 

Princípios dos negócios sociais

 

Negócios sociais: empreendedores que buscam resolver um problema social.
Negócios sociais: empreendedores que buscam resolver um problema social.

 

  • Empresas criadas para resolver um problema social que afeta a vida da sociedade em diferentes áreas como saúde, educação, saneamento, moradia, mobilidade urbana, meio ambiente, tecnologia, etc.
  • Atuação voltada para melhorar a qualidade de vida e garantir o acesso da população de baixa renda a necessidades básicas, direitos e oportunidades.
  • São financeiramente autossustentáveis.
  • A viabilidade econômica e o impacto social têm o mesmo peso no plano de negócios.
  • Usam a lógica do capitalismo para resolver problemas e cumprir papéis que seriam dos governos.
  • Devem ser replicáveis (funcionar em qualquer local que apresente o mesmo problema) e escaláveis (quanto mais lucro reinvestido, maior o número de pessoas beneficiadas).

 

4 dicas para investir em um negócio social 

 

Flat vector eco multicolored icons set

 

1. Não foque apenas nos problemas. Ao olhar para as carências, procure enxergar as potências também.

2. O propósito social da empresa contribui para atrair mais atenção e ganhar espaço no mercado, sem dúvida. Mas um produto não será comprado apenas por vir de um negócio social. Portanto, invista em um produto de boa qualidade.

 

 

3. Como se trata de um tipo de empresa relativamente novo, há menos exemplos para servir de modelo do que em relação aos negócios tradicionais. Então, não deixe de se capacitar. Pesquise experiências similares e faça cursos que enriqueçam suas habilidades empreendedoras.

4. Seguindo um dos princípios difundidos pelo já citado Muhammad Yunus: faça tudo com alegria! Desfrute da satisfação de trabalhar em um projeto que faça sentido para você como pessoa e como empreendedor.


 

E aí, gostou? Os negócios sociais são um excelente caminho para empreender e, ao mesmo tempo, contribuir para a construção de um mundo melhor.

Agora que todo mundo já sabe o que são negócios sociais, vamos ficar de olho para apoiar iniciativas com potencial para transformar a comunidade à nossa volta.

Colaboração:
Douglas Couto, docente do Senac Aclimação.


Veja também!

Comentários

Comentários