Guia financeiro: saiba agora como organizar as finanças pessoais

Para organizar as finanças pessoais: o planejamento é essencial.
Para organizar as finanças pessoais: o planejamento é essencial.

Você sabe como organizar as finanças pessoais? 

Equilibrar as contas e assumir o controle da vida financeira nem sempre é tarefa fácil ou rápida. Mas se organizar, planejar o que fazer com o dinheiro e ter disciplina no dia a dia são instrumentos importantes para conquistar objetivos de vida, como pagar os estudos – seus ou de alguém da sua família.

Com enorme poder transformador, a educação talvez seja um dos melhores investimentos que você pode fazer para si mesmo ou por quem você ama. Veja a seguir um guia para ajudá-lo a estruturar suas finanças e alcançar suas metas.

 

Para organizar as finanças pessoais

 

1 – Autoconhecimento

Um bom ponto de partida é observar como você se relaciona com o dinheiro – qual o papel dele na sua vida e de que forma aspectos emocionais podem interferir nessa relação.

Quem nunca “chutou o balde” gastando mais do que devia para “compensar” uma situação complicada, por exemplo? Conhecer a si mesmo, cuidar sempre do seu bem-estar e ter disciplina são fatores fundamentais para uma vida equilibrada também financeiramente.

2 – Planejamento e controle constante

– Gaste menos do que ganha. Pode parecer óbvio, mas muita gente se atrapalha por não conseguir cumprir essa regra básica.

– Tenha controle de todo o dinheiro que entra e sai. Para organizar as finanças pessoais vale tudo: caderno, planilha, aplicativo… Você escolhe o formato, mas é essencial acompanhar seu orçamento.

– Não despreze valores considerados menores. Por exemplo, um café não é muito, mas vários cafés somados fazem diferença no bolso.

– Analise e revise as despesas de curto, médio e longo prazo. Corte o que for desnecessário e reduza gastos maiores para que se enquadrem no orçamento.

– Procure ter uma reserva de emergência que corresponda a, no mínimo, três meses da mensalidade escolar.

– Tente guardar no mínimo 15% de tudo o que ganha. Se não separar parte da sua renda mensalmente, não terá como aplicá-la em investimentos para o futuro.

 

3- Proteja-se: alguns cuidados

– Ao assumir compromissos financeiros, verifique as condições e se esforce para cumprir os termos do contrato.

– Se possível, evite financiamentos e empréstimos bancários. Caso precise recorrer a eles, fique atento ao Custo Efetivo Total (CET), ou seja, o total de juros, correções e taxas cobrados.

– Aconteceu um imprevisto e se complicou? Tente negociar diretamente com a instituição de ensino. Muitas vezes as escolas e faculdades estão abertas a acordos com melhores condições.

– Procure saber se você atende aos pré-requisitos para pleitear um bolsa de estudos parcial ou até integral.

As dicas foram apresentadas com foco na organização das finanças para pagar os estudos. Mas elas podem ser adaptadas para outras metas que façam seu coração bater mais forte.

Colaboração:
Luiz Augusto Zazeri, professor do Centro Universitário Senac – Santo Amaro.

Veja também!

Comentários

Comentários