Conheça os tipos de espumantes para brindar em diferentes ocasiões

Tipos de espumantes: conheça os diferentes tipos e ocasiões.
Tipos de espumantes: conheça os diferentes tipos e ocasiões.

Você realmente conhece os diferentes tipos de espumantes?

Todas as bebidas sugerem algum tipo de brinda ou comemoração, não é mesmo? Mas tem uma que tem a cara de festas clássicas como o Natal e o Ano Novo: o espumante.

Nada como fazer a aquele brinde com a família e amigos queridos para agradecer e renovar as esperanças para um novo ciclo que se inicia.

Mas para muita gente escolher a bebida é sempre um grande desafio. Quais os tipos de  espumantes combinam melhor com cada ocasião?

As opções são muitas, mas a tarefa não é tão difícil quanto parece.

Veja as nossas dicas!

 

Tipos de espumantes: como eles são feitos?

 

Tipos de espumantes: bebida para brindar em festas clássicas como o Natal e o Ano Novo.
Tipos de espumantes: bebida para brindar em festas clássicas como o Natal e o Ano Novo.

 

Os espumantes são vinhos com presença de dióxido de carbono (gás carbônico) obtido por meio de uma segunda fermentação. É esse gás que dá aquele efeito bonito de borbulhas na taça – ele fica dissolvido no líquido e se desprende quando a garrafa é aberta.

Além disso, a bebida precisa ter uma pressão mínima de quatro atmosferas para ser considerada espumante. Se for abaixo disso, o vinho é chamado de frisante (como os Lambruscos italianos e as cidras).

Geralmente, os espumantes são produzidos pelos seguintes métodos:

  • Champanhês ou Champenoise: a segunda fermentação ocorre individualmente dentro de cada garrafa. Também é conhecido como Método Tradicional.
  • Charmat: tanques pressurizados são utilizados para fazer a segunda fermentação. Só depois o vinho é engarrafado.

Ambos os processos geram bebidas de qualidade. Para saber qual o procedimento utilizado, basta olhar os rótulos ou contrarrótulos das garrafas.

 

Nem tudo é champanhe

O champanhe é o espumante mais famoso do mundo – pelo menos de nome. Mas muitas vezes essa denominação é usada de forma equivocada.

Para ser chamado assim, o vinho precisa ter sido produzido na região de Champagne, no Nordeste da França. Se tem uma origem diferente, não pode ser identificado como champanhe.

Outros locais também têm espumantes com características de produção regionais, como o Cava (Espanha) e o Prosecco (Itália).

 

Pelo açúcar

Os espumantes ainda podem ser classificados pelo seu teor de açúcar (adicionado no fim do processo de produção). Dos mais secos aos mais adocicados, são eles:

  • Nature: até 3 g de açúcar por litro.
  • Extra Brut: entre 3 e 8 g/litro.
  • Brut: entre 8 e 15 g/litro.
  • Sec ou Seco: entre 15 e 20 g/litro.
  • Demi-sec, Meio Seco ou Meio Doce: entre 20 e 60 g/litro.
  • Doce: acima de 60 g por litro.

 

Dicas para festas clássicas como o Natal e o Ano-novo

 

– Mais austeros, os espumantes padrão Nature são próprios para acompanhar carnes, peixes, frangos e todo tipo de comida salgada – preferencialmente para quem está familiarizado ao paladar dessa bebida.

– Se for apenas para brindar a passagem de ano, os tipos Brut e Seco são indicados. Eles possuem menor teor de açúcar e podem ser utilizados como aperitivos.

– Meio Seco e Doce são boas opções para agradar às pessoas que não têm o hábito de beber espumantes.

– Os que têm mais açúcar são mais macios na boca. Por isso, um Moscatel (espumante do tipo Doce) vai bem com saladas de frutas, panetones e bolos de frutas.

– Você sabia que dá para usar espumantes para preparar drinks e coquetéis? O Aperol Spritz é um deles. A receita é simples: basta misturar 3 partes de Prosecco, 2 partes de Aperol (bebida de cor laranja encontrada em supermercados e lojas especializadas), 1 parte de água com gás e gelo, finalizando com uma rodela de laranja para decorar.

Bacana, né?! Agora é só celebrar a chegada de 2017 em grande estilo!

Colaboração:
Agilson Gavioli, docente do Senac São Bernardo do Campo.

Comentários

Comentários