Início Carreiras Técnico em prótese dentária: como é o trabalho de quem constrói sorrisos

Técnico em prótese dentária: como é o trabalho de quem constrói sorrisos

Saiba mais sobre o dia a dia da profissão, os diferentes tipos de próteses dentárias e o que se aprende no curso técnico para conquistar boas oportunidades no mercado de trabalho.

técnico em prótese
O técnico em prótese dentária é um dos pilares da Odontologia. Junto com o dentista, ele é responsável pelas principais etapas do tratamento odontológico.

 

Já pensou em ter uma profissão que ajuda as pessoas a terem sorrisos saudáveis? Este é um dos propósitos da Odontologia. Dentro desta área, um técnico em prótese dentária tem um papel fundamental.

Quem atua nessa profissão trabalha em parceria com cirurgiões-dentistas para confeccionar diversos tipos de próteses: de aparelhos ortodônticos às pontes fixas e móveis, como dentaduras e coroas.

Se você está pensando em investir na carreira, prepare-se para aprender sobre o dia a dia da profissão e como é o curso técnico em prótese dentária.

Neste conteúdo, você vai conferir:

– O que faz o técnico em prótese dentária
– Diferentes lugares para exercer a profissão
– Quanto ganha um profissional técnico em prótese dentária
– Como é o mercado de trabalho para estes profissionais
– Quanto tempo dura o curso e o que se aprende
– Especializações na profissão

 

O que faz o técnico em prótese dentária

 

Para saber mais sobre esta profissão, precisamos entender como é formada a área de Odontologia.

O setor é estruturado principalmente a partir de quatro profissões:

  • cirurgião-dentista;
  • técnico em saúde bucal;
  • auxiliar em saúde bucal;
  • técnico em prótese dentária.

Dentro do consultório ficam os três primeiros. Dentista e técnico em saúde bucal são os que têm contato direto com os pacientes – o primeiro comanda toda a parte clínica, com diagnósticos e tratamentos, e o segundo auxilia o dentista.

Já o auxiliar em saúde bucal, sob supervisão do dentista, pode orientar os pacientes sobre a higiene correta dos dentes, por exemplo, além de ser responsável pela esterilização dos materiais odontológicos e pela organização da agenda do consultório.

Em um local separado, em um laboratório, e com equipamentos específicos, ficam os técnicos em prótese dentária.

 

O técnico em prótese dentária tem um papel fundamental na área da Odontologia.

 

Em parceria com os dentistas, estes profissionais confeccionam todo o tipo de próteses dentárias que serão utilizadas no tratamento dos pacientes, como:

• Dentadura, tipo de prótese que substitui todos os dentes perdidos;
• Coroa ou pivô, uma cópia do dente feita em cerâmica, por exemplo, para arrumar um dente quebrado ou cariado;
• Facetas de cerâmica, usadas na reconstrução estética dos dentes da frente;
• Aparelho móvel para correção da mordida.

Ou seja… o técnico em prótese dentária não tem contato algum com os pacientes. Isso porque seu cliente é, na verdade, o cirurgião-dentista.

Esse trabalho em conjunto é essencial para que o tratamento ocorra da melhor forma possível.

Mas como funciona essa dinâmica entre dentistas e técnicos em prótese dentária?

No consultório, o dentista define como será o tratamento a ser feito. O molde dos dentes é feito ali mesmo e em seguida encaminhado ao laboratório.

No consultório, o dentista define como será o tratamento a ser feito. O molde dos dentes é feito ali mesmo e em seguida encaminhado ao laboratório. Lá, começa “a diversão” do técnico.

O profissional usa o molde como referência para obter um modelo da boca do paciente onde é confeccionada a prótese em cerâmica, resina ou até mesmo zircônia, um metal que pode ter cor de dente.

Hoje em dia, as técnicas de trabalho utilizadas no consultório e no laboratório podem ser realizadas, além da forma convencional (analógica), também de forma digital, com o escaneamento da boca do paciente e desenho em computador da prótese a ser realizada.

O trabalho é minucioso e se assemelha ao de um escultor, que deve lapidar cada detalhe com precisão, já que os dentes tem contatos únicos uns com os outros enquanto mastigamos e falamos.

 

Onde é possível trabalhar como técnico em prótese dentária?

 

Técnico em prótese dentária
Confeccionar próteses dentárias é um trabalho minucioso, que requer atenção aos mínimos detalhes.

 

Embora o laboratório seja o primeiro lugar que vem à mente ao pensar na profissão, existem outras possíveis atuações no mercado de odontologia:

Consultoria / vendas: nesta alternativa, o trabalho ocorre entre os pares. Ou seja, os técnicos em prótese dentária orientam no pós-venda e apresentam novidades do setor para seus colegas;

Indústria: já pensou em trabalhar no desenvolvimento de equipamentos e materiais específicos para a confecção de próteses dentárias? Nesse caso, fábricas especializadas serão possíveis locais de atuação;

Educação: se você quer compartilhar conhecimento, pode investir na carreira de educação e dar aulas em cursos técnicos profissionalizantes em prótese dentária;

Empreendedorismo: que tal abrir seu próprio laboratório? A opção requer investimento e noções de administração, mas pode se tornar muito rentável ao longo dos anos. É por isso que muitos profissionais investem na área ao chegar perto da aposentadoria, inclusive dentistas.

 

Salário

A remuneração inicial costuma ser o equivalente a um salário mínimo federal, segundo entidades sindicais que representam a categoria no Brasil.

Contudo, este valor pode aumentar graças às comissões pagas pelos laboratórios.
Isso mesmo: em geral, técnicos em prótese dentária recebem uma porcentagem por cada serviço realizado. Portanto, quanto maior for a produção diária, mais chances de “engordar” o rendimento no fim do mês.

O salário de alguém que atua como técnico em saúde bucal também fica nessa faixa, mas sem as comissões.

Em São Paulo, o valor é pouco mais de um salário mínimo federal, segundo o Sindicato dos Odontologistas do Estado de São Paulo (SOESP).

 

Como é o mercado de trabalho para estes profissionais

 

No Brasil, a demanda por pessoas capacitadas na área é grande. O motivo, porém, não é dos mais alegres.

Segundo uma pesquisa de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, o país tem 39 milhões de pessoas que já perderam parte dos dentes, se não todos, e usam próteses dentárias.

O problema é tão sério que afeta também os jovens, além dos idosos (a população que mais sofre com isso). Um em cada cinco brasileiros de até 25 anos tem uma prótese dentária.

É por isso que escolher uma profissão capaz de mudar este cenário e transformar a vida de muitas pessoas é algo muito especial. Já parou pra pensar nisso?

 

técnico em prótese e a transformação do sorriso
Todo mundo merece um sorriso saudável e bonito. O técnico em prótese dentária pode ajudar muitas pessoas a conquistar isso.

 

E tem espaço para se encaixar no mercado: no Brasil, são quase sete técnicos a cada 100 dentistas, segundo dados do Conselho Federal de Odontologia (CFO).

Ou seja… trabalho não deve faltar! Já que os dentistas têm contato direto com os técnicos, o mercado está precisando de pessoas capacitadas na área.

O mesmo vale para os técnicos em saúde bucal: a cada 100 dentistas, existem nove profissionais prontos para trabalhar nessa atuação.

 

O que se aprende no curso técnico em prótese dentária

 

As próteses dentárias são divididas em fixas e removíveis. Dentro de cada grupo, há diversos outros tipos, feitos para necessidades específicas.

 

A formação de cerca de um ano e meio contém o que é preciso para se tornar expert no assunto.

É por isso que, desde os primeiros cursos técnicos em prótese dentária surgiram, esses profissionais deixaram de ser chamados de “protéticos”.

O termo era usado apenas quando o aprendizado ocorria de modo informal. Com a formação especializada, eles passaram a ser chamados de técnicos em prótese dentária, uma profissão regulamentada e subordinada ao Conselho Federal de Odontologia.

No curso, as aulas começam abrangendo conteúdos como anatomia e escultura dental. Depois, os temas de estudo passam por vários tipos de aparelhos ortodônticos e próteses dentárias:

Prótese total – mais conhecida como dentadura, é usada para substituir todos os dentes, sejam superiores ou inferiores. É removível e feita em uma estrutura de resina com dentes de acrílico adaptados para cada paciente.

Prótese parcial removível – utilizada nos casos em que ainda há dentes remanescentes. A peça se encaixa por meio de conectores e grampos.

Prótese fixa – a famosa “coroa” ou “ponte” substitui tanto a perda de um dente ou mais, sendo cimentada sobre o remanescente do dente natural. As facetas e lentes de contato, tão faladas hoje em dia, principalmente em questões estéticas, também são próteses fixas.

Prótese sobre implante – confeccionada depois que o dentista faz a cirurgia para a colocação do implante (semelhante a um parafuso) no lugar do dente perdido do paciente. Normalmente de cerâmica, pode ser cimentada ou parafusada.

 

Detalhes do curso técnico em prótese dentária

 

Especializações

Depois de concluir o curso técnico, o próximo passo para lapidar uma carreira promissora é buscar uma especialização. Na área de prótese dentária, existem algumas opções:

Especialização Técnica em Prótese Ortodôntica: foco no planejamento e confecção de aparelhos ortodônticos, como de contenção, expansores e reeducadores de hábitos e funções para pacientes com maloclusão.

Especialização Técnica em Prótese Ortopédica Funcional dos Maxilares: para auxiliar no tratamento de oclusopatias, este curso foca na confecção de aparelhos ortopédicos funcionais dos maxilares, como pistas planas indiretas, bimler, twin block, entre outros.

Especialização Técnica em Prótese Total: aqui, o domínio da técnica é voltado às estruturas acrílicas que contribuem com a reabilitação de pacientes desdentados, visando soluções adequadas para os mais diversos casos.

Especialização Técnica em Prótese sobre Implante: o curso apresenta diversas técnicas como as relacionadas às próteses fixas cimentadas e parafusadas, overdenture e Protocolo Bränemark, com o objetivo de desenvolver soluções laboratoriais ao tratamento proposto pelo cirurgião-dentista.

Todas estas especializações têm carga horária de 300 horas, em média, e oferecem um novo mundo de oportunidades no mercado de trabalho.

 


 

Lembra do que falamos lá em cima sobre a demanda de profissionais técnicos em prótese dentária?

Se o mercado está carente de pessoas que concluíram a formação básica, imagine o quanto precisa de gente especializada em temas específicos!

Além de ter um belo aumento no salário, esses profissionais podem trabalhar com casos mais complexos e, no caso dos proprietários de laboratórios, construir uma agenda fiel de clientes, os cirurgiões-dentistas.

O caminho a ser trilhado nessa profissão requer muita dedicação, mas a recompensa – o sorriso de cada pessoa que conclui um tratamento odontológico – vale cada minuto trabalho.

Que tal começar sua carreira agora?

Conheça os cursos técnicos da área de Odontologia do Senac Tiradentes.

Colaboração:

Giselle Palmisano, coordenadora de Odontologia da Gerência de Desenvolvimento do Senac São Paulo.

Gizeli Acorci, docente de Prótese Dentária do Senac Tiradentes.

 


Comentários

Comentários